Pesquisa

Convívio familiar: o convívio com a família é fundamental na nova idade

convívio familiar: casal de idosos brincando com seu neto em ambiente familiar
13/11/2019
1 minuto de leitura

Compreender como o convívio familiar ajuda a superar os desafios da nova idade é fundamental à estabilidade emocional e física durante esse ciclo da vida. Entretanto, a qualidade dessa relação é construída ao longo dos anos e precisa ser preservada para superar a solidão, construir novas pontes e alcançar a longevidade com mais saúde e entusiasmo.

Nessa perspectiva, vamos apresentar quais são os impactos de um bom relacionamento e da convivência familiar em diversas fases da vida. Abordaremos, ainda, os fatores que tornam esse tipo de contato tão necessário, positivo e que traz para a vida o conforto, alegria, novas oportunidades e boas vivências na nova idade. Acompanhe!

Os desafios do convívio com a nova idade

Nos últimos anos, as alterações demográficas que aconteceram no Brasil geraram sensíveis transformações relacionadas à redução do ritmo de crescimento da nossa população geral. No entanto, essas mudanças marcadas pela queda da fecundidade e pelo aumento da longevidade alteraram significativamente a estrutura da pirâmide etária.

Esse processo de transição demográfica que, em números, representa o envelhecimento da população demanda a necessidade de formulação de novas políticas públicas específicas para esse grupo. em outras palavras, ações que possam amenizar os impactos das questões sociais e econômicas relacionadas a essa nova realidade populacional do país.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), a quantidade de brasileiros com mais de 60 anos aumentou quase 20% nos últimos 5 anos.

Esses dados sugerem a necessidade de buscar alternativas e de pensar em novas propostas que assegurem mais qualidade de vida a esse grupo. Ainda que se tenham percebido alguma melhora, há muito o que fazer em termos de acolhimento — sobretudo em questões relacionadas ao cuidado e à atenção no contexto biopsicossocial da nova idade.

Em nosso país, a aprovação do Estatuto do Idoso ampliou os direitos fundamentais defendidos pela Constituição. Com uma população cada vez mais numerosa de pessoas na nova idade, os governos precisam se preparar para atender essa demanda. Torna-se necessário fomentar ações que garantam o acesso à saúde, educação, cultura, lazer, moradia e outros benefícios essenciais à promoção do envelhecimento ativo e saudável.

No Estatuto do Idoso, no Título I das Disposições Preliminares no Artigo 3º, as alíneas são claras:

“É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.”

Percebe-se, então que o direito ao convívio com os familiares é um dos princípios legais e que deve ser observado, tendo em vista a simbologia que a atenção e o cuidado familiar representam à saúde e ao bem-estar na nova idade.

Priorizar essas interações é fundamental ao fortalecimento dos vínculos, ao resgate de valores e virtudes indispensáveis ao respeito da individualidade do outro em benefício de uma convivência harmônica e pacífica. A manutenção dos elos afetivos, emocionais e sociais torna-se um importante pilar de sustentação da estabilidade emocional e da saúde física nesse ciclo da vida.

É necessário, então, defender ideias e ações que possam ressaltar o bem-estar, resgatar a força e valorizar as qualidades das pessoas que alcançaram a nova idade. Elas podem contribuir positivamente com o meio em que vivem, desde que tenham sua autonomia respeitada e a sua dignidade preservada.

Logo, promover um bom convívio familiar e garantir a interação social durante essa etapa da vida é um dos grandes desafios da sociedade contemporânea. Porém, a boa notícia é que existem amplas possibilidades de trabalhar propostas, ações e medidas que conduzam a nova idade para um viver pleno, com saúde e mais qualidade de vida.

Os impactos de um bom relacionamento com a família

Para assegurar uma interação familiar saudável, é preciso desenvolver um relacionamento próximo entre membros da família e pessoas na nova idade. Ainda que alguns momentos surjam eventuais conflitos, eles precisam ser vistos como desafios que devem ser superados.

Em toda interação familiar, há momentos que exigem habilidades como a resiliência para direcionar as decisões para as soluções que beneficiem a todos. No entanto, esses contratempos devem ser encarados com naturalidade para mostrar que a interação familiar deve ser projetada e incentivada.

A convivência entre gerações pode gerar conflitos resultantes das diferenças de comportamento de adolescentes e jovens, principalmente. O estilo de vida moderno produz hábitos e costumes que podem soar estranho para quem já atingiu a nova idade. Por isso, o ideal é construir uma relação baseada no respeito à diversidade de pensamentos, com objetivo de superar esses choques culturais.

As características típicas que envolvem o processo de envelhecimento exigem um rearranjo na estrutura familiar, para que a intergeracionalidade não cause desgastes necessários. Como na maioria das famílias existem pessoas com mais de 60 anos em sua composição, a convivência precisa ser bem administrada.

Na construção das relações que sustentam o convívio familiar, o respeito e a afetividade são ativos cruciais. Isso porque o grau de afetividade demonstrado por cada um dos membros da família é de extrema importância para a consolidação de relações harmoniosas e mais saudáveis.

Para que pessoas de diferentes gerações dividam o mesmo espaço, é necessário trabalhar a paciência, o respeito e a solidariedade. Adotar uma postura diferenciada — em relação à convivência familiar — impacta positivamente sobre a saúde e a qualidade de vida de todos ao redor.

 Como incentivar o convívio familiar com a nova idade

Há diferentes possibilidades de inserir a pessoa da nova idade em um círculo social ativo e favorável ao seu equilíbrio emocional. Assim, estimular a socialização e o lado cognitivo dos idosos é uma forma segura de evitar a sensação de abandono e de reduzir o surgimento de doenças crônicas, que acompanham essa fase da vida, em muitos casos.

Listamos algumas atitudes e ações que podem impactar positivamente a saúde emocional e física da nova idade. Veja quais são!

Demonstre muito amor e carinho

Ainda que não pareça importante, demonstrar a alguém os seus sentimentos é fundamental. Evite que essas pessoas se sintam sozinhas, abandonadas e tristes. Ao menos uma vez ao dia, aproxime delas com carinho e diga que as ama. Olhe nos olhos, faça um chamego, sorria, afague seus cabelos e demonstre o quanto elas são queridas. Essa atitude carinhosa é essencial para que tenham a real segurança de que são parte importante da família.

Tenha paciência

Normalmente, as pessoas da nova idade têm suas peculiaridades, manias, teimosias e, não raro, demonstram algum comportamento que pode parecer estranho. Algumas repetem as mesmas histórias como se estivessem contando pela primeira vez.

Isso acontece porque, nessa fase, há mais prejuízos da memória recente e eles esquecem os fatos mais novos. Diante dessas situações, o ideal é ter paciência e ser gentil. Evite palavras ásperas e promova um ambiente mais calmo e tranquilo.

Reconheça a sabedoria da pessoa

Quem tem mais experiência de vida tende a saber mais das coisas, não é mesmo? As pessoas com idade superior a 60 gostam de ser solicitadas e, se preciso, opinar em situações importantes.

Tendo isso em vista, que tal pedir a opinião delas, até mesmo para promover um vínculo de confiança e melhorar a convivência familiar? Para elas, a noção do senso de utilidade é especial ainda que a ideia não seja acatada.

Construa relações de confiança

Em muitas situações, as pessoas com mais de 60 anos tendem a omitir o que sentem devido ao medo de dar trabalho para a família. Diante disso, a construção de uma relação de confiança é primordial para que se tenha abertura para falar dos problemas com transparência.

Priorize o respeito

Na nova idade, a maioria das pessoas apresentam limitações. Ainda que em nossa população muitos integrantes dessa faixa etária tenham a autonomia preservada, é preciso muita habilidade para diferenciar certas situações. Por isso, priorize o respeito e estabeleça uma comunicação eficaz para evitar constrangimentos e promover a harmonia do lar.

Inclua-a nos compromissos e atividades familiares

Inclua o seu familiar da nova idade em todas as atividades da família. Promover esse processo de inclusão impacta positivamente na estabilidade emocional e faz despertar o sentimento de que ele é parte importante do grupo.

É possível promover atividades para avós e netos, de modo que todos se divirtam com alegria. Convide-o para passeios em shoppings, feiras, mercados e em outros lugares que seja viável incluí-lo.

Estabeleça uma boa rotina

Geralmente, quando chega o envelhecimento, existe uma forte tendência a mudanças de hábito e o apego a alguns costumes muito particulares. Algumas pessoas ficam mais rígidas e, por isso, é necessário paciência e calma para lidar com determinadas circunstâncias.

Para superar esses desafios, uma boa alternativa é estabelecer uma rotina agradável, com horários predeterminados para que a pessoa fique mais tranquila e segura. Inclua atividades de lazer e que sejam agradáveis. Pense em medidas que facilitem a convivência e que tragam mais alegria e leveza ao cotidiano dela.

Promovendo a interação familiar com a nova idade

Há diferentes maneiras de manter a interação entre todos os membros da família. Além de influenciar a saúde das pessoas com mais de 60 anos, essas ações também promovem a troca de experiências e de aprendizado, já que elas adquiriram bastante conhecimento ao longo da vida.

Listamos algumas sugestões que podem facilitar a convivência, deixar a vida mais leve e melhorar a proximidade com o familiar da nova idade. Confira!

Inclua-o nas festas e em datas especiais

convívio familiar: casal de idosos cozinhando ceia de Natal com sua neta

Quando você promover alguma festinha em casa, um chá com amigos ou mesmo aquele churrasco para comemorar as datas especiais, não deixe de envolver o seu ente querido com mais idade. Convide-o e motive-o a participar das rodas de conversa.

Promova sessões de filmes em casa

Há ocasiões em que as pessoas da nova idade não estão com muita disposição para sair de casa. Se você perceber que o seu familiar anda retraído, cabisbaixo ou apático, está na hora de promover algo diferente e que ele aprecie. Uma boa ideia é organizar uma sessão de filmes em casa.

Deixe que ele escola o filme e convide alguns amigos para assistir junto. São coisas simples, mas que podem surtir um efeito muito positivo no aspecto emocional e também na saúde física. Promover essa integração social é fundamental ao fortalecimento dos laços de afetividade e à construção de uma relação familiar mais sólida.

Faça viagens em família

A maioria das pessoas que chegam à nova idade gostam de viajar e de explorar roteiros que, às vezes, por questões pessoais ou por falta de tempo, não conseguiram conhecer antes. Então, essa é uma excelente oportunidade para promover a interação e melhorar o convívio familiar.

Incentive a participação em atividades voluntárias

No Brasil e no mundo, há várias instituições sociais que necessitam de ajuda humanitária. Participar de atividades voluntárias traz muitos benefícios inclusive a quem ajuda.

Por isso, participe, junto com o seu familiar, desses programas de voluntariado. São diversas opções e nas mais variadas áreas de conhecimento. Alcançar a nova idade e ainda ter oportunidade de ajudar os outros resulta em uma sensação de paz interior e promove o senso de utilidade.

Organize passeios em parques

Para quem alcançou a longevidade com saúde e sem problemas de mobilidade, há diversas alternativas de lazer e de atividade física que são oferecidas pelos parques públicos espalhados pela cidade.

Há opções de trilhas, de nível leve e voltadas para a nova idade, e diferentes atividades de lazer saudável que podem ser feitas em família. Caminhadas ao ar livre, por exemplo, ajudam a fortalecer ossos e músculos, o que é fundamental à prevenção de quedas em idosos.

Fique de olho nas programações oferecidas pelos zoológicos, aquários municipais, museus, teatros ou outras opções culturais que o seu familiar aprecie. Dedique um tempo especial na semana para realizar esses programas com ele ou simplesmente para sentar e ouvi-lo. São medidas simples, mas que assumem um grande significado na vida de quem necessita de amor, carinho e atenção da família.

Os benefícios do convívio familiar para a nova idade

Promover a aproximação de gerações por meio de atividades de interação e de brincadeiras entre as diferentes faixas etárias é uma ótima estratégia de desenvolvimento e de aprendizagem. Esse tipo de iniciativa possibilita a formação de redes de apoio, a construção de vínculos positivos e ainda fortalece os laços afetivos entre os envolvidos.

Para as famílias que têm crianças menores, essa integração com pessoas da nova idade favorece a valorização do respeito e da obediência a figuras de autoridade, virtudes essenciais ao desenvolvimento integral dos pequenos.

De um modo muito construtivo, essa interação possibilita que os diferentes tempos de infância e do envelhecimento sejam reconhecidos — e percebidos — em suas diferenças e particularidades. Isso porque a criança tem muito a descobrir, e o familiar da nova idade pode contribuir com as suas experiências e sabedoria.

Logo, estimular essas trocas entre gerações e favorecer a socialização com a nova idade é relevante em diversos sentidos. Essas propostas trazem incontáveis benefícios, não apenas para crianças, adolescentes e jovens, mas para toda família.

Enumeramos algumas das principais vantagens que resultam dessa iniciativa. Veja quais são!

Promoção do respeito às diferenças

As trocas intergeracionais entre crianças, adolescentes e idosos favorecem o desenvolvimento do respeito às diferenças e ajudam a criança a perceber que cada etapa da vida tem sua importância, ainda que existam limitações.

Reflexão sobre as vivências compartilhadas

A maior integração e o incentivo à participação ativa da criança no convívio familiar com o parente da nova idade possibilita o despertar de importantes valores essenciais ao processo de educação infantil. Além disso, esse compartilhamento de vivências promove o respeito às pessoas acima de 60 anos.

Compartilhamento de deveres e responsabilidade

Para a saúde pública, manter as pessoas mais ativas, independentes e autônomas quando chegam a nova idade é um dos maiores desafios. Nessa fase da vida, há maior propensão a problemas de saúde, mudanças comportamentais, comprometimentos da memória e maior exposição aos perigos da automedicação. Logo, esse ciclo da vida requer mais atenção, cuidado e o estímulo ao senso de utilidade.

Por isso, a família deve tomar iniciativas que estimulem o membro com esse perfil a participar, mais ativamente, das tarefas de casa. Isso é fundamental para que todos compartilhem dos deveres e responsabilidades do cotidiano e, assim, se ajudem mutuamente no fortalecimento das relações.

Desenvolvimento de noções de cidadania

Mesmo na estrutura familiar, a criação de um ambiente de socialização entre a nova idade e os mais jovens também favorece o desenvolvimento de noções de cidadania. Os pais ou responsáveis pela família devem ensinar aos filhos a importância do cumprimento dos direitos assegurados às pessoas da nova idade. É preciso conscientizar os mais jovens que esses direitos devem ser respeitados não somente em casa, mas em todos os lugares.

O convívio social na nova idade

Motivar a interação social na nova idade reflete em diferentes aspectos da vida das pessoas pertencentes a esse grupo. Observe com atenção!

Melhora a interação e a noção de pertencimento

Uma das características do envelhecimento é o afastamento dos amigos, o que leva à redução do seu nível de interação social. Isso ocorre por diferentes motivos. Entretanto, é preciso estimular o familiar a se envolver em grupos da nova idade para que ele perceba que essa fase pode ser alegre, divertida e muito construtiva.

Em vista disso, é necessário incentivar o membro da nova idade a se envolver em atividades voltadas para esse grupo. O contato com outras pessoas com a mesma faixa etária favorece trocas e o compartilhamento de experiências e promove o senso de pertencimento ao grupo que está passando por essa mesma etapa da vida.

Aumenta a defesa imune

O processo degenerativo que acompanha o envelhecimento pode deixar as pessoas com mais de 60 anos vulneráveis ao desenvolvimento de doenças. Por isso, é necessário buscar medidas que possam reduzir os efeitos dessas alterações fisiológicas sobre o corpo.

Nesse sentido, é muito importante incentivar a interação social na nova idade. Pessoas que participam de atividades em grupo com outros pertencentes à mesma faixa etária têm menos propensão às doenças crônicas que, normalmente, surgem nessa fase.

A explicação é simples: a interação social ativa a produção de substâncias cerebrais responsáveis pela sensação de alegria, bom humor e prazer. Esses sentimentos são essenciais ao fortalecimento da defesa do organismo, pois eles inibem a ação de germes e de outros elementos ativadores de doenças.

Melhora a saúde emocional

Independentemente da idade, quem está sempre ativo — e socialmente inserido em um grupo — reduz as chances de desenvolver doenças emocionais, como ansiedade e depressão. Além do convívio familiar, a interação social na nova idade também é fundamental para a manutenção da estabilidade emocional, ativação da memória e da concentração.

Aumenta a disposição mental e física

Vale ressaltar que esses benefícios não se limitam apenas aos fatores emocionais e comportamentais. O envolvimento em atividades coletivas e lúdicas promove uma sensação de animosidade, de bem-estar geral e traz muita disposição física.

Nessa fase da vida, é preciso ter mais disposição para praticar atividade física. A realização de exercícios físicos fortalece os ossos, músculos e articulações. Além disso, essas atividades, quando feitas regularmente, promovem melhoria nas funções cardiorrespiratórias e ajuda a prevenir doenças metabólicas como diabetes e o descontrole dos níveis de colesterol.

Como vimos, é necessário promover relações familiares mais saudáveis e baseadas no diálogo e em fortes laços de proximidade, respeito, reciprocidade e afeto. Também é preciso reduzir os impasses gerados pelos conflitos de geração e melhorar a interação entre jovens, adultos e as pessoas da nova idade.

A qualidade de vida e o bem-estar na nova idade estão bastante ligados ao bom convívio familiar. Para desfrutar desses benefícios, é importante adotar medidas pautadas no cuidado, apoio e na cooperação de todos os componentes da família. Essa postura é imprescindível à promoção da saúde e ao equilíbrio mental e físico para que esse ciclo da vida seja mais alegre, saudável e harmônico.

Gostou deste artigo? Teria alguma opinião, sugestão ou dica que possa compartilhar com os nossos leitores? O espaço abaixo está reservado exclusivamente para você!

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Tags: , , ,

Compartilhe:

“A Nova Idade não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos frequentadores do portal. A Nova Idade repudia qualquer forma de manifestação com conteúdo discriminatório ou preconceituoso.”

Você pode se interessar também:

  Desenvolvido por Ventron