Pesquisa

Entenda quais são os sintomas de infarto e como agir para ajudar

sintomas de infarto
26/02/2020
1 minuto de leitura

A prevenção e a redução do índice de doenças crônicas (principalmente as cardiovasculares) estavam entre as dez metas globais da OMS (Organização Mundial da Saúde) para 2019. De acordo com o órgão, a maioria dos males cardíacos e circulatórios poderiam ser prevenidos com simples mudanças de comportamento, incluindo a prática de atividades físicas e evitando as dietas pouco saudáveis, bem como o consumo de tabaco e álcool.

Além de garantir uma melhor qualidade de vida, algumas mudanças na rotina são capazes de proteger a saúde do coração, evitando problemas circulatórios e, sobretudo, os temidos ataques cardíacos — também conhecidos como infartos. Você sabe como eles acontecem no organismo?

Neste post, você vai descobrir quais são os sintomas de infarto e saber como agir assim que reconhecê-los. Confira!

Afinal, o que é o infarto?

Segundo o doutor Edmo Atique Gabriel, cardiologista e cirurgião cardiovascular, o infarto nada mais é do que a insuficiência de sangue oxigenado na região do coração, em virtude da obstrução de uma veia coronária. Com a ausência do fluxo sanguíneo naquela área, o músculo entra em um processo de necrose, ou seja, passa pela morte celular.

“O infarto agudo do miocárdio representa um segmento do músculo cardíaco que morreu. Então, quando a gente afirma que houve um infarto, eu tenho que pressupor que existe morte definitiva das células cardíacas daquela região do coração, que foi afetada pelo infarto”, explica Edmo.

Quais são os sintomas de infarto?

O sinal de infarto mais conhecido é a dor no peito, geralmente do lado esquerdo, que simula uma pressão (como um aperto) muito forte. De acordo com Edmo, essa sensação dura mais de 30 minutos e costuma irradiar para o braço esquerdo ou para a face.

“Outros sintomas associados são sudorese fria, vômitos ou sensação de náuseas e palidez cutânea. Todos eles, agregados ou não com a dor no peito, são sinais de alerta”, diz ele.

Homens

sintomas de infarto

Em homens, geralmente a dor do ataque cardíaco é percebida como uma pressão na região do peito, porém difícil de localizar ou dizer de onde vem. A pessoa também pode sentir dor na boca do estômago (sem relação com a ingestão de nenhum alimento específico), fraqueza, tonturas e desmaios. Também é comum apresentar palidez no momento da dor.

Mulheres

Em geral, as mulheres apresentam menos chance de infarto do que os homens, entretanto esse risco aumenta após a menopausa, já que os níveis de estrogênio (que estimula a dilatação dos vasos, facilitando o fluxo de sangue) é reduzido neste período.

As mulheres podem apresentar sintomas de infarto mais brandos que nos homens, como sensação de desconforto no peito, mal-estar, falta de ar, sensação de peso ou formigamento nos braços e batimentos cardíacos irregulares.

Como esses sintomas podem ser facilmente confundidos com outros casos clínicos (como indigestão ou indisposição geral) é importante procurar ajuda médica a qualquer sinal de alerta, e realizar exames sempre que não estiver se sentindo bem.

Diabéticos

Doutor Edmo ressalta que as pessoas que sofrem de diabetes podem não sentir a tão conhecida dor no peito no momento do infarto. “Como nós ficamos muito focados nessa dor como sintoma principal, é fundamental saber que o indivíduo diabético, por uma alteração que o próprio diabetes causa na sensibilidade, não costuma senti-la”.

“Como nós sabemos que o diabético pode estar enfartando? Por outros sinais de alerta: palidez, dor no estômago, sudorese… Quando a pessoa tem esses sintomas é preciso ter muita atenção, porque ela pode estar infartando naquele momento”, explica.

Ainda segundo o médico, existe uma diferença importante entre o paciente sentir dor no peito e, efetivamente, sofrer um infarto. Por isso o tempo de atendimento é importante, evitando que um simples sintoma evolua para algo mais grave.

Como ajudar alguém com sinais da doença?

Doutor Edmo ressalta a importância do atendimento médico imediato. A partir do início do primeiro sintoma, o ideal é que a pessoa seja recebida em um pronto socorro o mais rápido possível. “Dentro das primeiras 3 horas, eu já tenho que ser atendido, seja por tratamento com remédios, cateterismo ou, eventualmente, até uma cirurgia de coração”, diz ele.

Sendo assim, o recomendado é acionar o serviço de emergência assim que constatar a presença dos primeiros sintomas. Quanto mais rápido for o atendimento, maior a chance de sobrevivência do paciente.

“Até a chegada do socorro, o que se pode fazer é acompanhar o pulso da pessoa, observar seus movimentos respiratórios e procurar deixá-la deitada na posição horizontal, sobre uma superfície rígida. Pode ser até no chão”, explica o médico. Também é aconselhado manter as roupas desapertadas.

Quem souber fazer a massagem cardíaca deve cogitar essa possibilidade diante de um quadro de parada cardiorrespiratória, ou seja, quando a pessoa não respirar nem tiver pulsação.

Como é o tratamento?

A partir do momento em que o paciente chega ao pronto socorro e recebe o diagnóstico do infarto, normalmente recebe uma medicação adequada (que varia de acordo com o caso) e o cateterismo cardíaco, que é uma tentativa de abertura do canal que está bloqueado, causando o infarto. “Geralmente é uma artéria principal que está fechada”, diz o médico.

Segundo ele, o processo de cateterismo não é feito para tratar totalmente a doença, mas sim para identificar qual é a artéria fechada. Se o tratamento medicamentoso não for suficiente para restabelecer o fluxo sanguíneo normal, será feita uma angioplastia com um implante de stent (uma espécie de mola de metal) para manter a artéria aberta.

Após o procedimento, é importante manter o acompanhamento médico do caso. “Posteriormente, com o passar dos dias, o paciente será reavaliado para saber se o seu caso necessita do implante de outro stent”, informa Edmo.

Como a nova idade pode se prevenir?

A prática regular de atividades físicas, aliada a uma alimentação saudável sempre foi uma receita básica para manter a saúde do corpo e principalmente do coração. Além de controlar o peso, o nível de colesterol e o diabetes, o condicionamento do corpo é melhorado com a estimulação da circulação sanguínea.

Por isso, é importante manter-se ativo: momentos de lazer ou atividades ao ar livre podem ser recomendados pelos médicos para ajudar a ter uma vida longa e saudável. Outra dica é realizar check ups médicos com regularidade, já que, durante a nova idade, a imunidade sofre alterações constantes.

Quem já apresenta um histórico familiar propenso aos ataques cardíacos, deve ter os cuidados preventivos redobrados e ter muita atenção aos sintomas de infarto. “É interessante que a pessoa já ande com medicações (como aspirinas) e as tome no início da dor. Isso ajudar a afinar o sangue e melhorar o quadro circulatório”, aconselha Edmo.

Agora que você já viu como identificar um infarto e sabe como evitá-lo, compartilhe com a gente as suas boas práticas para manter a saúde no dia a dia! Deixe seu comentário no post e interaja conosco!

Powered by Rock Convert
Tags: , ,

Compartilhe:

“A Nova Idade não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos frequentadores do portal. A Nova Idade repudia qualquer forma de manifestação com conteúdo discriminatório ou preconceituoso.”

Você pode se interessar também:

  Desenvolvido por Ventron