Pesquisa

Dor no corpo: criamos um guia completo sobre os principais tipos!

dor no corpo
31/12/2019
1 minuto de leitura

Sentir dor no corpo é algo que incomoda qualquer pessoa e causa muitas preocupações, pois pode ser um indicativo de que algo não vai bem no organismo. No entanto, ela pode ser causada por diversos hábitos ruins que praticamos no dia a dia.

De qualquer forma, ficar atento a qualquer sinal diferente que o corpo apresenta é de grande importância para identificar e solucionar os problemas de maneira rápida, podendo manter a saúde em dia e ter mais qualidade de vida.

Por esse motivo, vamos apresentar um guia completo com as principais dores no corpo e seus sintomas, para que você fique de olho. Tem interesse neste assunto? Então, não deixe de acompanhar!

A importância de conhecer os sintomas de dores no corpo

Sentir dor no corpo, independentemente da área, pode ser de grande ajuda para identificar alguma complicação e começar um tratamento médico rápido. Afinal, incômodos em qualquer parte de sua estrutura física podem ser sintomas de algumas doenças. Por isso, o quanto mais rápido elas forem descobertas, maiores são as chances de recuperação.

Desse modo, a seguir, confira as principais dores que podemos sentir no corpo!

Dores na cabeça

A dor de cabeça também é chamada, muitas vezes, de cefaleia/enxaqueca. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) esse problema costuma atingir até 15% da população mundial. Esse é um dos primeiros sintomas de diversas doenças, assim como pode ser manifestado por maus hábitos no dia a dia — por exemplo, o estresse é capaz de causar desconfortos nessa região.

Além disso, é preciso reforçar que a dor de cabeça não significa que é o cérebro que está doendo, mas que as paredes sanguíneas, músculos ou terminações nervosas identificaram algum fator incomum.

Por fazer parte do dia a dia de diversas pessoas, a dor de cabeça é negligenciada e até mesmo automedicada, o que é um grande erro. Remédios, inclusive aqueles para dores locais que são vendidos sem prescrição médica, não devem ser consumidos sem saber do que se trata o sintoma.

Para entender um pouco mais sobre esse tipo de desconforto, confira alguns dos tipos mais frequentes de dores de cabeça e as suas principais causas!

Enxaqueca

A enxaqueca é a mais intensa das cefaleias. Diferentemente dos outros casos, ela é um problema de origem neurológica e as suas crises contam com dores pulsantes, sensibilidade extrema à luz, a cheiros e a sons, enjoos, dificuldade na visão, entre outros.

Por ser de grande incômodo no dia a dia, a enxaqueca leva à necessidade urgente de procurar uma ajuda médica para iniciar o tratamento. Nesse caso, é preciso identificar as causas do problema para tratá-lo de maneira adequada e somente um profissional é capaz de cumprir essa função corretamente. Por isso, a automedicação é totalmente prejudicial e pode interferir no diagnóstico.

Tensão

Você já teve um dia estressante e, aproximadamente no fim da tarde, começou a sentir um incômodo na região da cabeça? Certamente, isso se tratava da cefaleia tensional, a mais comum entre as pessoas.

Isso acontece porque as situações de estresse fazem com que os músculos da região do pescoço, ombros e costas fiquem mais tensos. Como resultado, ocorre uma pressão na frente da testa, que pode ser de muito incômodo, sem mencionar as dores na musculatura do tronco. Por esse motivo, é fundamental evitar situações estressantes, pois quando ocorre com muita frequência, o caso pode evoluir para quadros mais sérios, como a enxaqueca.

Além disso, para diminuir a dor, o repouso e relaxamento são essenciais. Praticar atividades como o ioga, hidroginástica, massagens, entre outras, também ajuda muito a diminuir a incidência de incômodos nessa região.

Sinusite

A sinusite nada mais é que uma infecção nos seios nasais, que estão localizados na testa, entre os olhos e sobre o nariz. Quando essa doença se manifesta, a sensação de pressão na cabeça e o incômodo no local são grandes.

Por isso, se esses sinais estiverem acompanhados por febre, coriza e congestionamento nasal, é o momento correto para ir ao médico e encontrar o tratamento adequado para a doença. Com esses bons cuidados, os sintomas duram por, no máximo, uma semana.

Problemas oculares

Problemas oculares também são capazes de causar cefaleia. Quando há algum distúrbio na visão ou as lentes estão em um grau errado, os músculos dos olhos fazem mais esforço para formar uma imagem nítida e, como consequência, isso se transforma em um incômodo na cabeça.

Os sinais de que a sua visão precisa de mais atenção costumam ser acompanhados de dores ao redor dos olhos, vista pesada, sensação de sono, dificuldade para enxergar, ler ou identificar cores, entre outros.

Dores nos braços

As dores nos braços são bem comuns depois de realizar uma atividade física que exige muita força muscular. Por exemplo, se você começou a praticar um novo exercício, a sua musculatura ainda está se acostumando à nova carga e, por isso, pode causar esse incômodo. Caso isso persista por mais de 5 dias, é importante procurar o médico para verificar se não houve alguma lesão.

No entanto, o desconforto nos membros pode ser influenciado por outras condições. Veja, a seguir, algumas delas!

Tendinite

A tendinite é uma inflamação nas fibras que ligam o músculo ao osso. Ela costuma ocorrer por diversos motivos em extremidades como braços, pulsos, dedos, tornozelos e pernas. Geralmente, ela está associada ao excesso de esforço em atividades físicas ou por movimentos repetitivos, como o ato de digitar em computadores. Além disso, ela pode ser resultado de doenças autoimunes.

Para resolver esse problema, nada melhor que apostar em terapias, como pilates, fisioterapia, entre outros. O tratamento mais adequado será indicado por um ortopedista, depois de uma análise do caso.

Osteoporose

A osteoporose costuma atingir pessoas após os 50 anos e é mais frequente entre o público feminino. Ela acomete os braços ou pernas, causando dores até mesmo no estado de repouso. O tratamento é feito com uma boa alimentação e medicamentos indicados por um médico especializado.

Má circulação

Problemas de circulação também são fatores que causam dores nos membros, inclusive os braços. Isso acontece pois o sangue não passa corretamente pelas vias sanguíneas essenciais da região e trazem desconfortos, cãibras, dormência, entre outros sintomas. Geralmente, são recomendados exercícios locais e uma boa hidratação para resolver o caso.

Infarto

São vários os sintomas do infarto e o desconforto no braço esquerdo é um deles. Na verdade, o que se sente é um formigamento nessa região, pois a dor no peito irradia para os membros mais próximos.

Por isso, se sentir ou presenciar esse sintoma, junto da pressão no tórax, sensação de peso, desconforto na garganta, impressão de má digestão, entre outros, vá diretamente ao pronto-socorro, o mais rápido possível.

Crises de pânico

Crises de pânico e ansiedade aumentam os batimentos cardíacos e, como consequência, podem causar uma sensação estranha no braço. Nessas situações, o recomendado é procurar um lugar quieto, respirar fundo e tentar descansar até conseguir manter a calma. Além disso, cuidar da saúde mental contribui para prevenir esses momentos.

Dores nas pernas

Dores nas pernas podem ser causados por diversos problemas. Geralmente, essa região fica dolorida depois de muito tempo em pé ou após exercícios de alta intensidade. Nesse caso, uma noite em repouso costuma ser o suficiente para voltar ao normal.

Caso as dores persistam, estejam mais intensas ou sejam acompanhadas por qualquer outro sintoma — como formigamento, insensibilidade, fraqueza nos joelhos, sensação de queimação ou choque elétrico, dificuldade para andar, edemas, entre outros —, é importante procurar um médico, pois podem ser sinais de:

  • varizes ou veias varicosas;
  • hipotireoidismo;
  • diabetes;
  • tendinite;
  • má circulação;
  • trombose;
  • aterosclerose;
  • flebite;
  • úlcera;
  • artrite;
  • inflamação do nervo ciático;
  • hérnia de disco;
  • bursite;
  • doenças crônicas venosas.

Dores nas costas

Ter as costas doloridas é algo que incomoda muito no dia a dia, principalmente pelo fato de que os movimentos ficam mais limitados. Muitas vezes, as dores nessa região são causadas por problemas de postura e isso pode ser resolvido com a adoção de bons hábitos para se sentar e deitar, prática de alongamentos, massagens e compressas.

No entanto, desconfortos na parte dorsal do corpo podem ser sinais de outros problemas, principalmente em relação às articulações e estruturas ósseas. Descubra alguns deles!

Problemas renais

Problemas no funcionamento dos rins, como o cálculo renal, podem trazer dores nas costas decorrentes das cólicas nesse órgão. O desconforto costuma ser sentido nas laterais e, quando é muito agudo, pode dificultar a mobilidade e a execução de atividades corriqueiras.

Sendo assim, é importante ir ao hospital sempre que sentir dores intensas nessa região. Quando o diagnóstico é a pedra nos rins, é necessário um tratamento para remover esse acúmulo de substâncias no órgão e diminuir a intensidade da dor. Em último caso, é realizada uma cirurgia para remover o cálculo.

Nervo ciático

A inflamação do nervo ciático também deixa a região das costas dolorida. A compressão dessa estrutura nervosa provoca pontadas e formigamento no fundo das costas e pode irradiar pelas pernas. Isso também dificulta o sentar e o andar.

Nesse caso, o recomendado é procurar por um ortopedista para que seja feita uma análise mais precisa do quadro e, por meio de exames, será identificado o melhor tratamento, como fisioterapia ou medicações.

Hérnia de disco

Assim como os problemas no nervo ciático, a hérnia de disco também faz com que a pessoa tenha dificuldades para sentar ou andar, devido ao desconforto na região central das costas. A condição atrapalha também a ficar muito tempo em uma mesma posição ou ao se levantar subitamente.

Muitas vezes, o tratamento inclui cirurgia e fisioterapia, todos eles indicados por um ortopedista. Os sintomas costumam se manifestar por meio de dores nas costas, nas costelas, nos glúteos e nas pernas.

Doenças respiratórias

Problemas no sistema respiratório também são fatores que causam dores nas costas, principalmente durante a respiração. Isso ocorre porque, nesse ato, há a contração e relaxamento de vários músculos que ficam na região do abdômen e das costas.

A falta de ar, coriza, tosse de longa duração e febre junto do desconforto nas costas são sintomas de que algo não vai bem no seu organismo. Por isso, é importante procurar um médico para tratar a doença e, em relação às dores, compressas nas regiões ajudam a diminuir o incômodo.

Lesões na musculatura

Como visto, o dorso do corpo conta com diversas estruturas musculares. Isso é fundamental para manter a sustentação de todos os membros e proteger os órgãos internos. Por isso, quando há problemas na musculatura, é comum sentir dores nas costas.

Essas complicações podem surgir por conta de lesões nos músculos, que ocorrem com mais frequência após uma atividade física que exige intensidade ou por esforços repetitivos. Além do mais, passar muito tempo em uma má postura pode comprometer esse tecido, seja por contração ou estiramento.

Por essa razão, é necessário se consultar para se certificar de que não há nenhuma lesão ou para tratar dos problemas na região. Nesse caso, exercícios de alongamento ajudam a relaxar a musculatura e a encontrar a posição mais confortável e saudável.

dor no corpo

Dores no peito

Ao contrário do que muitos pensam, a dor no peito nem sempre indica uma condição muito grave, como a angina (diminuição da circulação sanguínea para o coração) ou o infarto. Muitas vezes, ela indica alguns problemas no seu sistema digestório, respiratório ou límbico.

Confira alguns fatores que influenciam nas dores na área do tórax ou do abdômen!

Gases intestinais

Você sabia que gases intestinais provocam dores no peito? Muitas vezes, aquelas pontadas agudas sentidas logo acima do abdômen se tratam apenas de problemas no intestino, como o excesso de gases ou a prisão de ventre.

Isso ocorre porque as substâncias acumuladas no sistema digestório fazem pressão nos órgãos abdominais e, consequentemente, criam dores que irradiam para o peito. Para aliviar essa sensação, massagens na barriga podem ajudar a empurrar os gases, assim como uma postura que facilita a sua saída.

Problemas estomacais

Não é só o intestino que pode causar dores no peito, mas também os problemas estomacais. Por exemplo, pessoas que têm uma má alimentação e que sofrem de uma condição chamada refluxo gastroesofágico — na qual o ácido presente no estômago sobe para as paredes do esôfago e causam inflamação na região — sentem bastante queimação no órgão, que se manifesta também em desconfortos no tórax (mais precisamente, no esterno).

Nesse caso, o acompanhamento com um gastroenterologista é essencial para resolver o problema, por meio da adoção de hábitos que favorecem a digestão e reduzem a acidez presente no estômago.

Outro fator estomacal que causa dores no peito é a úlcera. Dessa vez, a doença ocorre por conta da inflamação das paredes do estômago. Como esse órgão fica localizado em uma área próxima do coração (meio do peito), muitas vezes, as pessoas acham que se trata de problemas nesse órgão quando sentem as pontadas e queimação.

Da mesma maneira que o refluxo gastroesofágico, encontrar um profissional especialista nessa parte do corpo é o mais indicado para solucionar os problemas e amenizar as sensações ruins na região.

Dor muscular

Assim como as costas, o peito conta com muitos músculos, sejam eles torácicos ou abdominais. Em diversas atividades e esportes, a musculatura trabalhada é justamente essa e, por isso, quando há excesso, a dor pode se manifestar na região. Isso acontece por conta da inflamação das fibras musculares.

Além disso, casos de incômodos intensos, frequentes e excessivos podem indicar alguma lesão no tecido muscular, principalmente ao tossir ou levantar algum peso. Por isso, é fundamental não ultrapassar os limites do seu corpo ao praticar uma atividade física.

Estresse excessivo

O estresse é um problema que tem causado muita preocupação nos médicos. Segundo a OMS, 90% da população mundial sofre com essa condição, que pode causar problemas neurológicos, psicológicos e até mesmo o câncer.

Algumas das maneiras de identificar o excesso de estresse no seu dia a dia é com a dor no peito. Situações estressantes fazem com que os músculos do tronco se contraiam com mais frequência, o que causa inflamação e, consequentemente, deixa a região dolorida.

Um detalhe importante é que esse sinal pode surgir até mesmo nos momentos em que a pessoa não está em situação de estresse. Desse modo, para evitar complicações severas, é fundamental dedicar um tempo do seu dia para realizar atividades relaxantes, passar um tempo com a família e descansar.

Doenças cardíacas

A dor no peito é muito associada a doenças cardíacas e isso não acontece apenas porque o coração fica nessa parte do corpo. Muitas complicações nesse órgão realmente causam desconforto na área, como a arritmia, infarto ou a angina.

No entanto, qualquer uma dessas doenças apresenta outros sintomas, como o aumento da frequência cardíaca, alterações no ritmo da respiração, palpitações na região, inchaço do corpo, dificuldade repentina na coordenação motora, entre outros.

Doenças respiratórias

Problemas respiratórios, como a asma, bronquite ou mesmo a infecção pulmonar, também fazem com que o peito fique mais dolorido. Afinal, uma parte do pulmão fica localizada logo atrás do coração, na área do tórax.

Caso o sintoma seja acompanhado de outros fatores que comprometem a respiração, é importante procurar um médico para resolver o quanto antes os problemas e evitar dores e dificuldades para realizar atividades do cotidiano.

Infarto

O infarto é uma das primeiras preocupações que uma pessoa tem ao sentir uma dor no peito. Apesar disso, essa condição não atinge tantas pessoas, pois o público que mais sofre com isso apresenta outros problemas, como diabetes, hipertensão, colesterol alto e consumo excessivo de cigarros.

No geral, o infarto se manifesta com um aperto localizado no lado esquerdo do peito, que permanece por mais de 20 minutos. Em seguida, é comum que essa sensação se propague para as regiões próximas, como os braços e mandíbula. Dores na cabeça, tontura, sudorese, alteração na respiração e náuseas também são sintomas frequentes.

Nesse caso, é imprescindível que a pessoa seja levada até um pronto-socorro o mais rápido possível, a fim de evitar problemas causados pelo bloqueio do fluxo de sangue para o coração e demais órgãos.

Dores nos ombros

A dor no ombro pode ser causada por problemas nas articulações da área ou por excesso de tensão nos membros superiores. Isso acontece quando há esforço intenso, como na manipulação de objetos pesados, que causa estiramento dos músculos, ou em situações estressantes.

Além disso, os tendões e a musculatura da região podem se inflamar ou se danificar por outros motivos, como:

  • desgaste natural ao longo da idade;
  • artrite;
  • bursite;
  • tendinite;
  • luxação;
  • fraturas nos ossos ao redor.

Dores nas articulações

A sensação de desconforto nas articulações do corpo é algo muito comum na nova idade. Ela é caracterizada pela rigidez ou inflamação em estruturas como tendões, ligamentos, cartilagens, bursas e extremidades ósseas.

Os maiores problemas são os fatos de que isso realmente incomoda muitas pessoas na realização das tarefas do dia a dia, limita o movimento devido à dor e pode ser sintoma de algumas doenças.

Algumas das causas de dores nas articulações, além de lesões e quedas, são:

  • doenças autoimunes (como lúpus ou artrite reumatoide);
  • bursite (inflamação que atinge as bursas);
  • osteoartrite (surgimento de formações ósseas na coluna, chamadas de osteófitos, conhecida também como “bico de papagaio”);
  • degeneração da cartilagem;
  • hepatite (A, B ou C);
  • dengue;
  • gripe;
  • gota;
  • infecções virais (sarampo, caxumba, rubéola e catapora);
  • tendinite;
  • doença de Lyme (geralmente transmitida pelo carrapato).

Os cuidados com a automedicação ao ter dores no corpo

Em todos os casos, é fundamental evitar a automedicação, mesmo que seja uma cefaleia simples. Tendo em vista que a dor no corpo pode ser sintoma de doenças mais graves, ingerir algum remédio sem prescrição médica ou sem antes ter realizado exames para identificar a causa dos incômodos pode ter um efeito bastante negativo no organismo.

Como resultado, o consumo de medicamentos inadequados pode aumentar os sintomas, agravar o caso ou anular o efeito de outro remédio. Desse modo, sempre que sentir algum desconforto, procure um clínico-geral para identificar o problema. Caso os sintomas persistam, opte por um médico especialista, para avaliar com mais precisão o seu quadro.

Existem diversos tipos de dor no corpo e estar atento a cada uma dessas manifestações é essencial para garantir a sua saúde e priorizar o seu bem-estar. Por isso, ouça bem os sinais do seu corpo e não tenha medo de pedir ajuda médica sempre que necessário.

Quer saber mais sobre os principais cuidados da saúde? Então, leia também o nosso post que apresenta os perigos da prática da automedicação!

Powered by Rock Convert

Você pode se interessar também:

  Desenvolvido por Ventron